Completar ou reestruturar a industrialização? Um debate entre Aníbal Pinto, Celso Furtado e Fernando Fajnzylber a respeito das alternativas abertas para a problemática cepalina da industrialização nas décadas de 1960 e 1970

Autores

  • Márcio Ferreira Rocha IE/Unicamp

Resumo

O objetivo deste artigo foi mostrarmos que as interpretações de Aníbal Pinto, Celso Furtado e Fernando Fajnzylber sobre a industrialização na América Latina se adaptaram aos rumos da industrialização da região sem se afastarem dos marcos teóricos originais da Cepal, constituindo uma contribuição heterodoxa para a compreensão do processo de desenvolvimento econômico particular da região. Diante dos impasses da industrialização pesada, ao se debruçarem sobre a dinâmica industrial resultante da relação entre a estrutura de produção, a empresa de capital estrangeiro e o padrão de demanda na América Latina, esses autores distanciaram-se do caráter estático e a-histórico das abordagens ortodoxas e estritamente empíricas. Capturamos o conjunto desses fatores a partir da questão: diante das restrições técnico-financeiras da industrialização pesada na América Latina, suas economias devem completar ou reestruturar o padrão de industrialização?

Publicado

2020-11-23

Edição

Seção

Artigos